31 dezembro, 2006

A PALAVRA

A palavra fala,

Sozinha, acompanhada,

comanda, manda, demanda...

.

Sublinhada empolga,

inclinada declina.

Clínica, clinica.

Cria idéias,

cria assunto.

.

Causo.

Causo de vida,

caso de amor,

vida de festa, sonho perdido.

Vida vazia!

.

É no discurso

da grande fala

que a fala se cala.

.

Sem nome e sem corpo.

Silencia na voz,

silencia no afeto,

silencia na dor.

Aih! como dói!

.

A palavra,

sempre ela

a palavra.

.

Pa-lavra.

.

Larva que queima,

pá que recolhe, acolhe...

Texto, testículo, prazer;

gozo, ferida, fenda, fruição.

.

A palavra,

sozinha, desacompanhada,

comanda, manda, demanda...

Nomeia, corporifica.

Re-signi-fica.


Como disse o Anselmo, a Roda tem que girar. Aceitar um texto pelo seu prazer e não cerceá-lo em demasia com códigos de conduta também precisa ser levado em consideração.

Prometi reescrever de forma simples, e aí está. A poesia é um bom recurso. Aqui se fala mais, com o mínimo de palavras. É óbvio que não vou explicar o escrito. É como na piada, se você explica, ela perde o sentido. Quem não entender, que não se desespere, espero. Repetindo o Anselmo: “Viva e deixe a língua viver, mesmo que a principio não haja tantos significados.”.

Tentando responder o Osame se é desejável uma tradução conceitual da Psicanálise, sem o uso do jargão, não acredito que ela seja, por definição, intraduzível, mas nós também temos problemas. Em nosso meio, muitas vezes, o psicanalês, o lacanês e/ou outro (ês) irrompem trazendo dificuldades. Outras vezes a questão é institucional e a visibilidade da psicanálise se perde em nome deste ou daquele discípulo(?) de Freud, deste ou daquele conceito. O próprio Lacan disse, certa vez, cabe a vocês serem lacanianos, quanto a mim, eu sou freudiano.

Como eu sou um pouco kantiano e o que me move é o entusiasmo, vou continuar escrevendo.

Feliz 2007 para todos.

28 dezembro, 2006

Cadê o dicionário?



O tema do Roda de ciência este mês, "Falar e escrever simples", se mostra um desafio de argumentação e auto-análise. Porém, vamos contribuir. A Roda tem que girar.Primeiramente gostaria de deixar aqui registrado que gostei muito da participação do Rogério Silva. Contar com as idéias de um profissional de uma área diferente da maioria dos participantes do Roda traz novo "oxigênio" para as discussões. Aceitar um texto pelo seu prazer e não cerceá-lo em demasia com códigos de conduta também tem que ser levado em consideração. Viva e deixe a língua viver, mesmo que a príncipio não haja tantos significados. O dia-a-dia trata de formá-los. Divagações e subjetividades de lado, voltemos ao tema propriamente. Leia mais aqui

27 dezembro, 2006

Fractais para crianças

Bom, parece que não conseguirei comentar mais nada sobre a questão da escrita simples na divulgação científica, especialmente depois que o João Alexandrino, com seu poema iconoclasta, fez a pergunta fatal: simples para quem?

Assim, acho que talvez pudessemos pensar a questão em termos de um emissor (o jornalista ou cientista) que tenta enviar uma mensagem para um receptor (vários grupos a serem definidos, por exemplo, leitor de jornal, estudante do ensino médio, espectador do Fantástico etc.). Assim, a nossa questão seria: como diminuir o nível de "ruído" ao longo da transmissão da mensagem, ruído produzido pelo uso de termos e conceitos que não fazem parte da bagagem cultural do público alvo? Você concorda com esta redefinição do problema, Maria?

Bom, há algum tempo atrás, informado por um editor da Ediouro de que o verdadeiro filão do mercado editoral brasileiro é o setor de paradidáticos (por exemplo, as edições em geral têm entre 100.000 e 500.000 exemplares, na maior parte comprados pelo governo), e cabisbaixo por meu eterno cheque especial negativo, pensei se teria capacidade de escrever um livro desses. Ok, minto, na verdade foi puro idealismo, eu achei que seria um importante trabalho de divulgação científica e extensão universitária etc.

Pois bem, não consegui terminar o livro, mas tentei realmente escrever sobre Fractais de modo que pudesse ser lido e apreciado por estudantes do ensino fundamental (note, fundamental, nao médio! Você já tentou explicar o que são logarítmos para crianças de 12 anos?). Os dois capítulos iniciais de minha tentativa você pode encontrar aqui no Ceticismo Aberto de Kentaro Mori, que me pediu permissão para hospedar o texto, não sei se isso vai comprometer a venda do livro (isso detona com o Copyright?) quando eu acabar de escrevê-lo daqui a cinco(?) anos, vender para a Ediouro e ficar zilionário...

Alguns Post Scripts a mais aqui no SEMCIÊNCIA.

25 dezembro, 2006

TEXTO E DISCURSO – UM PONTO DE VISTA

Por Rogério Silva

“Semente de amor sei que sou desde nascença,

Mas sem ter a vida e fulgor, heis minha sentença,

Tentei pela primeira vez um sonho vibrar,

Foi beijo que nasceu e morreu, sem se chegar a dar,”

Não quero mais amar a ninguém de Cartola


“Não é hora de chorar, amanheceu o pensamento

O poeta está vivo, com seus moinhos de vento

A impulsionar a grande roda da história

Mas quem tem coragem de ouvir

Amanheceu o pensamento”

O poeta está vivo de Roberto Frejat e Dulce Quental


Quais as possibilidades que um blog oferece? Essa pergunta parece direcionar a resposta para uma única finalidade, mas a palavra possibilidades trai tal intenção. Um blog que roda, que em seu texto reúne pessoas que pensam em diferentes direções e que freqüentam diferentes saberes, nos remete a um parque de diversões com rodas gigantes, montanhas russas e outros brinquedos que por mais diferentes que sejam giram sempre em torno de um eixo qualquer.

O texto, este incansável dizer, acompanha o homem desde os tempos mais primitivos. Nas cavernas, nos papiros, nos livros ou modernamente na internet, são sempre dizeres.

Falar e escrever simples. Uma pretensão para quem não pode usar desses atributos em suas teses, mas um desejo para quem quer se implicar com o que se propõe falar ou escrever.

Leia mais aqui

21 dezembro, 2006

Simples?

Simples,
o quê? para quem?

[Leia mais no Ciência e Ideias]

Perdão pela simplicidade,
apenas uma outra forma de expressão,
simples do complexo,
estado de espírito,
sem qualquer outra pretensão.

Esta é a minha contribuição inaugural para a Roda. Vivam os assíduos que a têm construído!

18 dezembro, 2006

Blogs facilitam escrever mais simples

Depois escrevo um texto meu, por enquanto vai aqui uma notícia da USP online para quem não viu:

Blogs de pesquisadores incentivam nova forma de discussão acadêmica

Paulo Gama / USP Online

Até pouco tempo atrás, quando um pesquisador decidia expor suas idéias em algum meio diferente das tradicionais publicações científicas, esbarrava em limitações técnicas, como por exemplo a dificuldade para construir um site pessoal ou criar um grupo de discussão.

Recentemente, com a popularização dos blogs, esses pesquisadores viram aberta uma nova porta, que impulsionou um tipo diferente de debate. Nessas páginas virtuais, surge uma discussão um pouco menos acadêmica e mais ligada a temas cotidianos, que consegue atingir um público diferente, menos ligado às universidades, mas maior em quantidade. “Com um blog você tem a coisa na mão. A ferramenta é pronta, é só chegar e escrever! Essa questão técnica foi um ponto a favor dessa popularização, que foi muito legal e deu um grande avanço na área”, explica a professora da Escola de Comunicações e Artes (ECA), Elizabeth Saad Correa.

A professora ressalta que os blogs não têm a função de fomentar, especificamente, discussões acadêmicas profundas, mas se tornam essenciais na difusão do conhecimento gerado por pesquisas. “O blog serve pra você difundir as idéias que foram trabalhadas por um tempo maior e por um grupo menor. A discussão em profundidade não se dá no blog. Ela se dá, em geral, em listas fechadas de discussão, nas quais você conhece quem participa”, afirma.

Isso faz com que os assuntos tratados precisem se aproximar mais do cotidiano do usuário, possibilitando uma integração maior do mundo acadêmico com o público geral. “Você só consegue essa interação, essa troca de opiniões mais coletivas, se for um assunto de interesse desse freqüentador”, explica.

Outro fator importante é o tipo de linguagem usada pelo pesquisador: “Um blog com palavras mais técnicas vai ter poucos freqüentadores. Mas à medida que o site vai simplificando a linguagem, ele vai ampliando a possibilidade de usuários e comentadores. Quanto mais próxima a linguagem do público, mais o blog agrega”. Essa linguagem, afirma a professora, acaba tornando o próprio blog mais atraente: “Ele deixa de ser técnico e passa a conversar num nível de entendimento mais amplo.

Para continuar a ler, clique aqui. O meu blog está aqui na versão nova do Blogger.

Foto: Ok, ok, eu sei que estou (muito) mais gordo, mas o Richard Dawkins ficou usando aquela foto de jovenzinho durante anos em suas orelhas de livros...

15 dezembro, 2006

Akamai

Dia desses li num jornal havaiano:

"Vastly improved maps and global positioning systems make it easier to figure out what the risks might be, and people are now "way more akamai about at least assessing" where they are in relation to the rift zone, he said."

Akamai. Tenho certeza que a palavra deixa mesmo aqueles que têm vivência da língua inglesa com dúvidas. Afinal, o que é "akamai" nesse contexto? Está num jornal de circulação razoável dos EUA, um veículo de informação que requer um tratamento jornalístico claro da língua. Entretanto, o uso de um termo 100% havaiano já nos mostra que mesmo onde a clareza deve ser lei, a realidade local fala muito alto.

(Leia o resto aqui.)

08 dezembro, 2006

Tema de dezembro: falar e escrever simples

Tem gente que acha que se apresenta com mais autoridade se disser coisas que ninguém consegue entender. E tem gente que acredita, e acha que se não entendeu é porque deve ser importante e inteligente... Mas tem algo mais longe da divulgação de ciência? Fica vigente a mistificação da ciência, infelizmente bastante difundida.

Mas vamos aqui fazendo nossa partezinha, falar de ciência entre cientistas e não cientistas, discutir explicar conversar. Nem sempre a gente consegue, falar do que se entende de forma compreensível para os outros não é nada fácil.

Por isso mesmo é um tema rico, interessante e importante para discussão. Encerremos então o ano discutindo a arte de falar - e escrever - com simplicidade. Mas nem por isso pouca profundidade ou rigor.

Por favor, quem tiver sugestões para temas futuros ponha nos comentários desta postagem.

23 novembro, 2006

Lançamento do Clik Ciência

Como eu nunca ocupei o espaço aqui estou estreando dando uma boa notícia.
Estamos lançando a revista digital de divulgação científica "Click Ciência" . A idéia é fazer um site onde se de um pouco mais de ênfase no contéudo científico e não apenas fazer propaganda institucional.
O site surgiu a partir de uma iniciativa de pesquisadores de um projeto temático da FAPESP e acabou tomando uma dimensão um pouco maior.
O primeiro número está no ar e o tema principal é nanotecnologia.
Comentários serão sempre bem vindos

13 novembro, 2006

Ciência e arte em Walter Benjamin


Por Rogério Silva

Pensando no tema de outubro entre ciência e arte eu achei que deveria tratar de Julio Verne ou Michelangelo que não eram cientistas, mas criaram muito para a humanidade. Gostaria talvez de versar sobre Moritz Echler, entre a arte e a matemática, mas meus conhecimentos sobre eles é pequeno e só então me dei conta de que já havia escrito algo sobre o tema no meu blog sob o título “Experiência e construtividade em Walter Benjamin”.

Walter Benjamin parece estar falando sempre de dois tempos. Um tempo perdido de criação e um tempo posterior de recriação. O primeiro tempo é o tempo da experiência, tempo da conhecer, tempo da ciência e um tempo posterior de construção ou de arte.

Esse tempo de criação parece ser um tempo primitivo, o tempo do narrador, do artesanato. É a passagem do artesanato para a produção em série, que muda a forma da narrativa e faz surgir o romance.

O romance sai da experiência individual (Erlebnis), não compartilhada, para a coletiva (Erfahrung), onde o leitor persegue o mesmo sentido dado pelo autor.

Espero, ainda que tardiamente, estar contribuindo para o tema.

05 novembro, 2006

Ciência e Saúde com poesia

É verdade que já escrevi pra este tema de outubro que se estende por novembro. Mas acabo de pôr um texto no Ciência e idéias que remete ao assunto em discussão, então ponho aqui o anúncio.

O médico, escritor e divulgador de ciência Drauzio Varella acaba de lançar o livro Borboletas da alma, que trata de ciência e saúde com linda arte. Bem na linha do que escrevi aqui.

Leia mais...

31 outubro, 2006

Nos bastidores do Shell Wildlife Photographer of the Year

No mês de outubro (que já está em seu último suspiro), o tema de discussão no Roda de Ciência foi "Relação entre Ciência e Arte" - essa encruzilhada tão intangível para muitos cientistas e tão necessária para o entendimento do público leigo sobre ciência. Embora eu particularmente tenha passado o mês inteiro viajando "a lazer", de certa forma o motivo que me levou a Londres tem a ver exatamente com a interrelação sugerida pelo tema do Roda, e aproveito a coincidência para pedir licença ao Roda e explorar alguns aspectos pessoais que vivenciamos, questionamos, aprendemos, nos deparamos a partir do momento que André soube que havia vencido o Wildlife Photographer of the Year 2006.

Leia o resto aqui.

Observações de Goethe







Johann Wolfang von Goethe, poeta alemão nascido em 1749 na cidade de Frankfurt, foi aquilo que podemos chamar de espírito inquieto. Atuou em incursões artísticas, políticas e questões científicas.

leia mais aqui

A ciência de fazer arte e a arte de fazer ciência


A arte é uma questão de inspiração e habilidade nata, enquanto a ciência é uma questão de observar os fatos, fazer medições e extrair dessas observações leis genéricas, que possam ser comprovadas por futuras experiências.

Mas será só isso, mesmo? O quanto de ciência contém a produção artística? E o quanto de arte tem a produção científica?

As relações matemáticas nas artes plásticas são bem conhecidas, assim como na música. Mas quanta ciência haveria em um romance, por exemplo?

Por outro lado, o quanto a inspiração tem a ver com o trabalho científico?

(continue lendo aqui)

27 outubro, 2006

Ciência e Arte: Os Sinônimos da Criatividade

O tema desse mês no Roda é a relação entre a arte e a ciência, uma relação que é mal compreendida e, na grande maioria dos casos, completamente estereotipada.

Continue lendo no It’s Equal but It’s Different...

Galeria de artes científicas

Como havia anunciado, reuni em um post atualizado alguns aspectos que me vieram à mente desde que foi proposto o tema deste mês. Espero que gostem e sobretudo apreciem as imagens que escolhi: vejam no pitáculos.

21 outubro, 2006

A poesia da ciência

Muito do que lemos sobre ciência deixa de fora toda a poesia que ela contém. Os textos científicos são assim por norma, e acabam arrastando por esse caminho muito da divulgação científica. Mas quando alguém consegue escrever sobre ciência com arte, que delícia que é!

Leia mais...

15 outubro, 2006

Ciência e Arte: A Fala da Matemática

Enquanto preparo um post atualizado, deixo aqui um link para uma matéria antiga que postei sobre vários aspectos que envolvem a Matemática e as artes...aproveitem!
Está lá no Pitáculos, em 12.06.06, espero que gostem. Estou preparando uma galeria para o tema deste mês!

[]s,
Silvia

11 outubro, 2006

Fiocruz com Ciência e Arte

Rapidinho: apenas para constar que houve um evento nos dias 9, 10 e 11 (terminou hoje :( ) promovido pela FIOCRUZ cujo tema foi - CIÊNCIA E ARTE 2006. A programação e outros "links" interessantes podem ser acessados pelo "site" do evento. Quem sabe ajuda como "material" para fomentar a roda do mês... alguém teve a oportunidade de participar deste evento?
Mais um pouco sobre este tema está disponível neste "link" de notícias da Agência FAPESP.
Assim que der "publico" sobre o tema no viagene, até lá!
ana claudia

Relação entre ciência e arte: tema de outubro

A votação foi apertada, acabei não votando porque empataria.

Relação entre ciência e arte: 5 votos
A arte do falar simples: 4 votos

Anuncio assim rapidinho, sem o charme da Lúcia mês passado. Ponham sua ciência e sua arte para funcionar!

08 outubro, 2006

Síndrome de Estocolmo, ou quando a vida imita a arte

Por Rogério Silva

Na tentativa de responder ao João Carlos, que participa comigo do blog Roda de Ciências, me vi provocado (no sentido de pro+vocare=chamar a si), a descrever o que penso sobre a Síndrome de Estocolmo.

Síndrome de Estocolmo é uma resposta psíquica encontrada, em alguns casos, em reféns que demonstram lealdade ao seu raptor, ou opressor. A mente fabrica uma estratégia ilusória para proteger a psique da vítima. A identificação afetiva e emocional com o seqüestrador acontece para proporcionar afastamento emocional da realidade perigosa e violenta à qual à pessoa está sendo submetida. Contudo, a vítima não se torna totalmente alheia à sua própria situação, parte de sua mente conserva-se alerta ao perigo e é isso que faz com que a maioria das vítimas tente escapar do seqüestrador em algum momento, mesmo em casos de cativeiro prolongado.

Veja mais no Blog freud Explica

20 setembro, 2006

Internet, Academia e Ética

Minha abordagem inicial sobre o tema foi - necessariamente - superficial. Afinal, "não vá o sapateiro além das sandálias". Eu não sou acadêmico, nem cientista. Nesta "Roda", eu represento o leigo que quer aprender. O curioso que é bombardeado por informações diversas, cuja qualidade não sabe avaliar. Em uma palavra: o ignorante.

leia mais aqui

18 setembro, 2006

O tema desse mês no Roda é sobre os benefícios e malefícios da Internet na divulgação científica. Eu confesso que já faz tempo que venho pensando no quê escrever sobre the good, the bad and the ugly… mas, por completa incompetência intelectual (ou de ideais), eu não consigo ver a parte que tange the bad and the ugly… eu só consigo ver the good. Claro, mais cliché do que isso, impossível… mas, infelizmente, nesse caso é verdade: Já faz bem uns 20 dias que eu venho pensando sobre o tema e… nada.

Continue lendo mais...

3 formas



O bom


O mau


O feio

16 setembro, 2006

Roda de Ciência: Internet na Academia

Considerando-se que eu nasci na metade do século passado (no tempo em que, para se fazer uma ligação telefônica entre o Rio de Janeiro e Niterói, se passava um bom tempo esperando a telefonista completar a ligação) e que o assunto momentoso da sci-fi da época era a humanidade sendo dominada pelos "cérebros eletrônicos", o assunto para mim tem um sabor nostálgico.

Leia mais aqui.

10 setembro, 2006

Coimbra tem mais encanto... e criacionistas!

Continuo de férias, mas o choque foi tão grande que ainda me sinto apalermado e tinha que colocar isto aqui. O tema do mês na Roda de Ciência é "Internet na Academia e a divulgação da Ciência". Eu pensava não ter tempo para contribuir com algo de jeito, pelo que isto veio de certa forma a calhar. Uma das questões, que pelos vistos não ocorreu aos proponentes do tema, é que os meios académicos não incluem apenas ciência, e podem, por vezes, ser mesmo hostis a certos aspectos da ciência. Este caso veio mostrar isso de forma algo dolorosa. Um jornal português, da imprensa supostamente séria, sentiu a necessidade de publicar uma carta aberta de um indivíduo que defende as teses criacionistas. Nem me atrevo a contaminar este blog com o título desse pasquim, que não voltarei a comprar. O que me deixou realmente aparvalhado foi descobrir que há um feudo criacionista numa vetusta universidade portuguesa. [leia mais ...]

09 setembro, 2006

Blogs e Academia

Eis que chega a primavera no hemisfério sul do planeta (porque aqui onde moro o vento frio do outono já paira no ar...) e com ela, mais um ciclo de discussões no Roda de Ciência. Nesse mês, decidimos discutir sobre uso da internet na academia.

(Leia o resto aqui.)

08 setembro, 2006

Internet e Academia: the good, the bad & the ugly

Apesar de ter sugerido este tema, temo que identificar os aspectos bons (“good”), ruins (“bad”) e horríveis (“ugly”) da relação internet e academia seja uma tarefa subjetiva e muito influenciada pela experiência individual. Além destes, existem ainda os aspectos “polêmicos”, que dificultam a atribuição de adjetivos. Enfim, estou curiosa para descobrir quais questões seriam consenso nesta ciranda de setembro do Roda de Ciência e se há controvérsias, e quais os argumentos? Esclarecimentos prévios (talvez desnecessários?): ACADEMIA aqui se refere ao ambiente acadêmico ou universitário, onde predominam as atividades de ensino e pesquisa, voltado para a formação de recursos humanos, no sentido mais amplo que o termo “formação” compreende. E INTERNET se refere ao conjunto de ambientes e ferramentas virtuais em ampla expansão e diversificação que tem revolucionado a comunicação e o acesso à informação, no sentido mais amplo que o termo “revolucionar” compreende.

Leia mais aqui.

01 setembro, 2006

Sol de Primavera

"Quando entrar setembro/ e a boa-nova andar nos campos..."

Setembro chegou, e com ele, um novo tema aqui na nossa Roda de Ciência. Preparem-se para as voltas que podemos dar, sem risco de ficar enjoado depois da circulada.

"Já sonhamos juntos/ semeando as canções do vento/
Quero ver crescer nossa voz no que falta sonhar!"


Que a voz dos colaboradores que sonharam juntos em agosto possa semear mais idéias e aprendizados legais pelo espaço virtual neste setembro de discussão sobre "Internet na Academia e a divulgação da ciência: the good, the bad and the ugly". Que venham os posts!


P.S.1: As regras de funcionamento do Roda de Ciência podem ser lidas nesse post.

P.S.2:
Trechos da música "Sol de Primavera", de Beto Guedes.

29 agosto, 2006

Roda de ciência: Ciência X Divulgação científica

O tal “X” da questão me incomodou desde o princípio: por que colocar a ciência em posição adversária à sua divulgação? Um erro essencial que, além de ocorrer, mostra a disputa entre categorias...

Dê um pulo lá no Pitáculos em Ciências, para ler mais sobre o assunto.

[]s,
Silvia

ciência e divulgação científica: uma comunicação possível?


Ainda estamos em Agosto... então aqui estão algumas impressões sobre o tema do mês.

Desde a iniciação científica, no início da década de 90, tenho formulado uma idéia – mais ou menos flexível – do que é a Ciência (fica a inicial maiúscula como reconhecimento do fascínio que esta palavra evoca em mim): um campo de intensa experimentação teórica e prática, calcado no raciocínio lógico, na argumentação sobre fatos, observações de causa e efeito, elaboração e teste de hipóteses explicativas, embebido na criatividade e na liberdade à formulação de idéias, cuja orientação mais ampla (ou seria presunção?) é a compreensão da Natureza, de como ela opera e de como pode ser explorada (ainda mais presunçoso, não?). Além da formação de novas idéias, há neste fenômeno humano de “fazer ciência” a formação de pessoas, recursos humanos capacitados para pensar e agir cientificamente, o que é algo ainda mais fantástico!
LEIA MAIS AQUI

24 agosto, 2006

Sobre Golfinhos, Cientistas e Jornalistas

Na recente matéria "Duas Notícias Interessantes", eu desanquei o cientista sul-africano Paul Manger, por conta de uma matéria da Reuters, publicada em "O Globo on Line", por conta das declarações que ele teria prestado ao jornalista.

Sabiamente, Caio de Gaia, me chamou a atenção para o fato de que eu não deveria desancar um cientista, baseado unicamente em uma notícia de jornal. Com a prestimosidade dos lusitanos, não só correu a ler o paper original, como me enviou um exemplar do dito

leia mais aqui.

23 agosto, 2006

A divulgação da SIDA no Jornalismo

Publiquei um post sobre divulgação de informação da SIDA nos Media portugueses. Pareceu-me interessante fazer uma chamada aqui no Roda, uma vez que é um caso específico de divulgação de ciência e está contextualizado no tema do mês.

O tema SIDA quase desapareceu da actualidade jornalística. Os motivos? Ao que parece está “fora de moda”.
[Ler mais]

Roda de ciência

Por enquanto, é só a apresentação do blog de discussão...logo mais virá o post com o tema do mês!

Se quiserem ver como ficou, visitem-me lá no Pitáculos em Ciências...

22 agosto, 2006

Convívio harmonioso

Seria importante incentivar cientistas a se aproximarem das pessoas leigas interessadas em ciência? Quais seriam os benefícios para ambas as partes?

Leia mais aqui

20 agosto, 2006

A divulgação científica dos impactos ambientais: problemática ou catástrofe?

Para poder estrear no Roda de ciência tive que adequar o tema proposto (Ciência X Divulgação científica) na minha área de interesse. Achei legal, pois sempre quis falar sobre este assunto e nunca tive uma oportunidade, ainda mais por ser complexo e contraditório: o questionamento dos verdadeiros impactos ambientais.

Leia mais aqui

19 agosto, 2006

Divulgação científica: o ponto de vista do "usuário final"

Este Blog não nasceu com a idéia de fazer "divulgação científica", mesmo porque eu não sou um cientista. A idéia era apenas tornar pública minha indignação contra tudo que anda errado, todo o mundo sabe quais são as soluções, só que ninguém faz... O próprio nome do Blog traduz bem a minha quase desesperança, acumulada nesses quase 56 anos de vida.

Leia mais aqui

Educação científica: pela divulgação eficaz

Gosto muito dos ScienceBlogs, uma iniciativa americana de blogs profissionais voltados apenas para o tópico "ciência", que abriga o blog de ciência mais lido do planeta, o Pharyngula. São 48 blogs (e crescendo...) nos assuntos mais diversos, de evolução a astronomia. Os ScienceBlogs estão agora entre os 100 mais populares do índice Technorati, e isso, para um assunto árido para muitos como ciência, pode ser considerado uma vitória.

(Leia mais aqui.)

18 agosto, 2006

Communication Breakdown: ciência × divulgação científica…

Oi Pessoal,

Minha contribuição para o Carnaval desse mês pode ser encontrada no seguinte link: Communication Breakdown.

Divirtam-se... :-)

Comentário - Dificuldades em divulgar biologia

Este post é um comentário ao texto publicado pelo Cais de Gaia no Roda de Ciência: Blogues e a dificuldade em divulgar temas de Biologia.

O blogue do projecto Caminhos do Conhecimento divulga informações sobre ciência, tecnologia, ambiente e sobre a actividade de comunicar / divulgar / popularizar estas áreas.

Confesso que pouco escrevo sobre ambiente e muito menos sobre tecnologia. Os principais motivos são a minha formação em Biologia / Ecologia e as minhas preferências pessoais nas ciências da vida.

No início, só escrevia sobre o que se fazia em Portugal, mas deixei-me disso, porque estava sempre tentada a escrever sobre o que se passava noutros países. As dificuldades de divulgar temas das ciências da vida são óbvias, mas... [leia mais ...]

Blogues e a dificuldade em divulgar temas de Biologia

Na Roda de Ciência, o tema do mês é a questão do jornalismo científico, divulgação científica, e o papel dos cientistas nessa divulgação. Embora a população leitora de blogues seja pequena, não é tão pequena como isso, e dá para retirar algumas conclusões sobre o real interesse da população pelos temas científicos. Notei que alguns são mais populares que outros. Os meus leitores parecem não se interessar muito por Biologia, o que me incomoda um pouco, pois cerca de 70% das minhas contribuições são sobre esse tema.[leia mais ...]

17 agosto, 2006

É possível fazer bom jornalismo de ciência?

O bom jornalismo de ciência, seja ele crítico ou divulgação de pesquisa, é raro. Mas que prazer encontrar um texto saboroso, informativo e instigante! Ou ver um texto ou programa de televisão levar alguém a se interessar por ciência, ou entender o que é afinal que seu filho faz.
[leia mais...]

06 agosto, 2006

Ciência versus divulgação científica

Um ex-professor meu me disse que ao virar jornalista de ciência eu estava enveredando por um caminho esquizofrênico, que é impossível conciliar o modo de pensar de um biólogo e de um jornalista. Será mesmo? Qual a importância de se divulgar ciência? É possível torná-la acessível ao público leigo sem que se perca o rigor?

Contabilizados os votos, temos:
  • 1 voto para a questão do jovem pesquisador no Brasil e no exterior
  • 2 votos para a internet na academia
  • 5 votos para ciência versus divulgação científica
Ganha, portanto, esta última. Acho bem adequado, como ponto de partida. Afinal, vem daí a relevância de estarmos aqui discutindo. Poremos as outras em votação de novo para o mês que vem. Será que mantemos só as propostas que tiveram votos, ou todas? Aceito sugestões...

Só para manter o padrão dos textos que estiverem aqui no Roda: usamos letra verdana, tamanho normal.

Mãos à obra! Quanto antes dermos nossos pitacos, mais tempo sobra para discutirmos até o fim do mês.


04 agosto, 2006

Vamos papear

A idéia de fazer espaços mais ordenados de debate flutua pelo ar blogosférico. Alguns exemplos são os "blog carnivals" e as mesas-redondas promovidas pelo Osame no Semciência.

A proposta para este espaço, que fiz ontem no Ciência e idéias, é um pouco diferente. Vamos escolher um tema por mês, sobre o qual quem quiser escreve um texto, conta uma história, mostra uma foto, faz um desenho, o que for. O grosso da publicação estará nos respectivos blogues, aqui poremos só resumos, ou chamadas com o linque. Proponho bloquearmos a possibilidade de comentários ao fazer a publicação nos blogues pessoais (no blogger sei que é uma opção fácil, logo abaixo da janela onde escrevemos). Na última linha da publicação, escrevemos algo como "deixe seu comentário aqui", com um link no "aqui" para esta roda.

A partir das experiências diversas, todos poderão conversar através das janelas de comentário. Quem não escreveu texto ou quem não é cadastrado no blogue também! E quem se cadastrar, não precisa escrever todo mês. A proposta é ter um ponto de encontro, não criar uma obrigação!

Quem quiser se cadastrar e fazer parte deste blogue comunitário, pode me mandar uma mensagem para mariamsguimaraes@yahoo.com.br. Os cadastrados são sobretudo blogueiros, afinal são as pessoas que descobriram esta forma de trocar idéias e gostaram dela. Mas se você não tem um blogue mas também quer publicar um texto, é só avisar. Nesse caso o texto inteiro ficaria aqui.

Abaixo, as sugestões para o primeiro tema de debate. Que tal votarmos? No domingo eu conto os votos e assim definimos o tema de agosto.
  1. Multidisciplinaridade
  2. a questão do jovem-pesquisador (incluindo questões sobre "se pesquisa de brasileiro feita no exterior é brasileira", "se pesquisa em colaboração BR/exterior é... o quê?" e assuntos similares, afinal, "o QUÊ é a tal Ciência Brasileira?")
  3. a internet na academia: tipo "the good, the bad and the ugly" (como se dá o benefício da comunicação e as distorções de uso - orkut, chats, e cia?! e onde o "blog" entra nisso?)
  4. ciência vs divulgação científica: a importância da comunicação
  5. patrulhismos em ciências: vários temas polêmicos (diferenças homem/mulher; questões de raça; QI; determinismo genético, etc)
  6. compartilhamento de idéias
  7. senso comum
  8. relacão ciência e arte
  9. A ininputabilidade (ou seja o fato de eles não serem punidos pela nossa Justiça) dos índios brasileiros
O design deste blogue é uma homenagem ao nosso sumido Osame. Quando vi essas bolinhas me lembrei das redes de elementos excitáveis que ele gosta de desenhar - são bolinhas interligadas de formas diversas. Os risquinhos que nos unem não estão desenhados no fundo da tela, mas é o que vamos fazer com nossas trocas de idéias.