08 outubro, 2009

Quer entrar no ScienceBlogs Brasil?

O "condomínio" ScienceBlogs Brasil está promovendo um concurso de recrutamento para Blogs de ciências, novos e nem tão novos assim.

Mais detalhes em: Quer entrar no ScienceBlogs Brasil? Pergunte-nos como!

22 setembro, 2009

Ponto final na discussão: Marina Silva não é criacionista

Como diria o Luis Bento... Ponto final na discussão.

Marina Silva critica debate eleitoral antecipado
Congresso em Foco - Brasília,Distrito Federal,Brazil
Sobre sua crença, disse nunca ter defendido o
criacionismo (tese segundo a qual ..."Não tenho uma teoria sobre o criacionismo, apenas acredito que Deus fez ...
Marina nega que tenha defendido criacionismo
Estadão - São Paulo,SP,Brazil
Marina se viu em meio à polêmica sobre o
criacionismo após participar de um seminário sobre o tema, em 2008. Na ocasião, a então ministra teria dito que é ...
'Nunca defendi o criacionismo', diz Marina Silva sobre ensino em ...
G1.com.br - Brazil
"Nunca defendi o
criacionismo e no Brasil não existe ninguém fazendo esse movimento. Essa é uma transposição artificial de um debate que ocorre nos Estados...

21 setembro, 2009

Religião e Política


Este comercial é considerado um dos melhores em nossas campanhas políticas. Note como são usadas as referências religiosas a Deus e ao Cristo Redentor.

Weber tem um livrinho muito bom onde ele discorre sobre duas vocações: ciência e política. Ele mostra que são duas vocações ortogonais (ou deveriam ser). Afinal, não é possível usar o método científico para decidir em que candidato votar. Na avaliação de um candidato, um partido, uma ideologia política, você usa o senso comum, as informações de seus amigos, a emoção. O objetivo da Ciência Política é estudar a variedade do fenômeno político e não determinar qual ideologia política é a mais correta.

Entretanto, a ciência pode nos ajudar a avaliar as propostas políticas, no sentido de verificar que os meios propostos realmente servem aos fins defendidos. Mas quem define quais os fins desejáveis? Ora, tudo depende de seus valores fundamentais, que podem ter origem em uma cultura secular ou religiosa. Mas é preciso ficar claro que tais valores são escolhas existenciais, sem fundamento científico: nada na Natureza ou na Ciência determina que é melhor ter uma sociedade democrática do que aristocrática, ou de que a compaixão seja melhor que a crueldade, como bem demonstrou Nietzsche. Para ele, uma sociedade aristocrática que implemente o Darwinismo Social é preferível à democracia.

Nietszche não é contra o Cristianismo por ser uma religião (afinal, seu Zaratustra é um profeta religioso). Nietszche elogia o Cristianismo da Renascença, o cristianismo dos Borgia, onde o espírito aristocrático floresce, e também defende a elite religiosa judaica que rejeitou Jesus. Nietszche é contra um certo judaísmo e cristianismo (não todos) apenas na medida em que eles formaram historicamente a base religiosa de valores democráticos (ou mesmo anarquistas) posteriormente secularizados. Para Nietszche, justamente os argumentos apresentados no comercial acima é que são o melhor motivo para não se votar na esquerda.




19 setembro, 2009

Nosso lugar no mundo:

Apesar de ter se desligado oficialmente do Roda de Ciência, a Lucia Malla (olha o link aí do lado) nunca deixará de ser uma participante importante (não só por ser uma das fundadoras) desta Roda.

Por coincidência, ela publicou hoje um post com o título que eu repito neste e que começa assim:

Na lista de discussão do luluzinhacamp, a Ana Cláudia começou um papo sobre vacinação, que virou uma discussão sobre a indústria farmacêutica e que eu, no mais tradicional estilo "viagem na maionese" que me caracteriza, consegui desviar para "o nosso lugar no mundo". Explico.


Continue lendo no Uma Malla pelo Mundo.


14 setembro, 2009

Ciência vs Política (e Religião, é claro...)

O tema deste mês versa sobre o relacionamento entre ciências e política, especialmente sobre a influência das religiões na política e, mais especificamente, sobre a celeuma levantada acerca das crenças "criacionistas" da Senadora Marina Silva e sua capacidade para exercer a Presidência da República. Para não deixar as coisas saírem da perspectiva, algumas considerações prévias são necessárias.

(continue lendo aqui)

07 setembro, 2009

II Encontro de Weblogs Científicos em Língua Portuguesa - 2o EWCLiPo



Peço licença a Roda para divulgar o II Encontro de Weblogs Científicos em Língua Portuguesa - 2o EWCLiPo que acontecerá no final do mês de Setembro em Arraial do Cabo (RJ). O programa pode ser visto no belo folder da designer Patrícia Kiss em anexo. Inscrições e mais informações na página do evento.Divulguem e participem.

06 setembro, 2009

Marina Silva e a Ciência




O tema do mês é mais amplo, mas o que está bombando na mídia e na internet é a questão de se as crenças religiosas de Marina Silva a desqualificam para o cargo de presidenta do Brasil. Então, em vez de escrever um novo post (escreverei um sobre a diferença entre estado laico e estado ateu), faço uma lista de meus posts sobre Marina Silva que tem a ver com questões científicas. Todos os posts sobre Marina Silva, contendo também os de carater político, podem ser encontrados aqui.






Tema para o mês de setembro

Desculpem pela decisão autocrática e totalmente incompatível com os princípios desta Roda de Ciências, mas é que o tempo não para e a Roda não pode ficar esperando eu resolver meus problemas pessoais.

Fica valendo, então, uma pequena alteração de um dos temas propostos pelo Osame: Os políticos e as ciências. (Não há por que restringir à Marina Silva, ou qualquer outro talvez-candidato à presidência, já que o baixo-clero do Congresso ajuda ou atrapalha muito mais).

Desculpem o mau jeito e (como meu pai dizia que os jesuitas diziam): "Façam o que eu digo, não o que eu faço"... Escrevam!

21 julho, 2009

O homem pisou na Lua ou é Photoshop?

A-há. Há poucos dias publiquei que seria possível ver as geringonças que o homem, supostamente (!), deixou na Lua – leia aqui. Agora, a Nasa divulgou as tais imagens. Trata-se da primeira vez que os equipamentos deixados lá pelos astronautas das missões Apollo são fotografados.

As fotos foram feitas pela sonda LRO, responsável pelo mapeamento do nosso satélite. Ela irá passar novamente pelo mesmo local e fazer mais cliques. Só que com resolução de imagem até três vezes melhor. Daí, hoje participei de uma discussão.

Continue lendo e veja a foto no blog Xis-xis...

20 julho, 2009

O Luar que nos fascina

Faz tempo que não faço um post aqui na "Roda da Ciência", mas o tempo anda curto.
Aproveito essa coluna que escrevi no CH-Online sobre a Lua e aproveitar o tema do mês.

A Lua brilhando no céu em uma noite limpa proporciona uma imagem que enche nossos olhos e desperta a imaginação. Infindáveis versos, poesias, músicas e declarações de amor já foram escritos inspirados no luar. Quando não temos a Lua no céu, as noites ficam mais escuras e as estrelas, mais visíveis. Mas, como propaga o verso citado acima, o luar é sempre a visão mais marcante no firmamento.

Para ler mais veja no Por dentro da Ciência

17 julho, 2009

No mundo da lua

Olhar as estrelas não é só para poetas e apaixonados. Entender os céus é uma busca que vem desde a Idade Média. Para encontrar a morada divina, sim. Mas quando imagino o olhar perdido em meio a estrelas, penso que a cosmogonia não é a responsável pela curiosidade celeste. O contrário parece mais plausível.

Andar em meio à noite escura, longe das luzes da cidade, dá uma noção esmagadora da própria pequenez. E da pequenez humana, e deste mundo. A imensidão, que em noites sem luar parece formar um manto que se poderia tocar ao esticar a mão, é capaz de criar uma sensação de religiosidade até no mais empedernido ateu (que, claro, não confessará). Imagino os nossos antepassados, muito antes de haver luz elétrica para atrapalhar a contemplação, imaginando que ali só poderia haver algo muito divino.

Enfim, reflexões que vêm de imaginar o que leva a tanto investimento em exploração espacial, a tanta gente passar a vida sonhando com entrar numa latinha, viajar pelo espaço e ser lançada sem dó nalguma superfície longínqua.

As histórias espaciais causam fascínio. Difícil ficar indiferente aos reparos do Hubble ou a imaginar, em 1969, o astronauta Neil Armstrong tomando o controle da Apollo 11 para encontrar um local para pouso na Lua enquanto os controles gritavam sinais de emergência, porque o alvo planejado era mais pedregoso do que previsto.

Por causa disso tudo, uma matéria que escrevi para a edição de agosto da revista Pesquisa me deixou especialmente entusiasmada. É sobre vulcões extraterrestres, veja mais no Ciência e ideias.

E a Apolo 12?

Bom, como ninguém está postando, vou fazer uma homenagem aos esquecidos astronautas da Apollo 12.


Foto: Bean, Surveyor 3 and the LM Intrepid (ao fundo) (NASA).

Vai chegando o dia 20 de julho e o pessoal da teoria de conspiração ganha espaço nos jornais. Agora, todos os argumento contra a possibilidade da viagem da Apollo 11 também deveriam ser válidos para a Apollo 12, que desceu na Lua apenas quatro meses depois (19 de novembro de 1969).

Alguns dados que eu não conhecia:

The second lunar landing was an exercise in precision targeting, using a Doppler Effect radar technique developed to allow the pinpoint landings needed for future Apollo missions.[4] Most of the descent was automatic, with manual control assumed by Conrad during the final few hundred feet of descent. Unlike Apollo 11 where Neil Armstrong took partial control of the lander and directed it further down range when he noticed that the intended landing site was strewn with boulders, Apollo 12 succeeded, on November 19, in landing within walking distance (less than 200 meters) of its intended target - the Surveyor 3 probe, which had landed on the Moon in April 1967.

To improve the quality of television pictures from the Moon, a color camera was carried on Apollo 12 (unlike the monochrome camera that was used on Apollo 11). Unfortunately, when Bean carried the camera to the place near the lunar module where it was to be set up, he inadvertently pointed it directly into the Sun, destroying the vidicon tube. Television coverage of this mission was thus terminated almost immediately.

Conrad and Bean removed pieces of the Surveyor 3, to be taken back to Earth for analysis. It is claimed that the common bacterium Streptococcus mitis was found to have accidentally contaminated the spacecraft's camera prior to launch and survived dormant in this harsh environment for two and a half years.[6] However, this finding has since been disputed: see the article Reports of Streptococcus mitis on the moon.


Uma coisa que não entendo: por que Stanley Kubrick, que certamente também estava fazendo a filmagem falsa da Apollo 12, não substituiu a camera colorida a fim de permitir a cobertura por televisão. E por que fazer um relatório sobre a possível sobrevivência de bactérias na camera da Surveyor 3 dado que a camera também é falsa (pois os astronautas não a trouxeram). E além do mais, quem disse que a Surveyor 3 existiu? Não é tudo falso?


São esses pequenos detalhes que fazem as conspirações se afundarem. Mas eu tenho a minha própria teoria da conspiração:


Os teóricos da conspiração são agentes implantados pela CIA para diversionismo. Toda a alta tecnologia necessária para a viagem para a Lua estava disponivel pois foi roubada dos ETs de Roswell, inclusive os computadores quânticos. Ao querer negar que o homem foi à Lua, os conspiracionistas querem na verdade negar todo o Arquivo X!




11 julho, 2009

Sonhos criativos: civilizações galáticas e gripe suína



Acho que este post tem a ver com o tema deste mês e do mês passado (ao mesmo tempo!). Então aqui vai:

Há poucos dias, postei sobre uma recente pesquisa envolvendo criatividade e sonhos. Fiz um comentário meio cético, dizendo que se houver relação entre sonhos e solução de problemas, isso provavelmente seria uma exadaptação biológica, mas não a função primordial dos mesmos.

Poucos dias depois, meu inconsciente me prega uma peça, fornecendo um exemplo de sonho criativo (no sentido de produzir associações entre assuntos diversos). No sonho, eu percebi que a fórmula de Drake para probabilidade de existir civilizações tecnológicas na Galáxia envolve o mesmo tipo de raciocínio usado no cáculo da taxa de mortalidade da gripe (suína) pelo Ministério da Saúde do Brasil.

Explico: no Plano Brasileiro de Prepapração para uma Pandemia de Influenza (3a versão - abril 2006), existe um modelo estático para estimar o número de óbitos de uma temporada de gripe. Ele pode ser resumido pela fórmula (ver esquema na figura):

Número de Óbitos = Po x Pag x Pc x Pat x N, onde

  • Po = probabilidade de óbito
  • Pag = Probabilidade de agravamento
  • Pc = Probabilidade de complicação
  • Pat = Probabilidade de ataque
  • N = Número de indivíduos da população.

Eu tinha visto essa figura em dias anteriores e ela reapareceu durante o sonho. Daí eu percebi que o tipo de raciocínio é idêntico ao usado na fórmula de Drake, a saber:

N = R* x fp x ne x fl x fi x fc x L

Onde:
  • N é o número de civilizações extraterrestres em nossa galáxia com as quais poderíamos ter chances de estabelecer comunicação.
  • R* é a taxa de formação de estrelas em nossa galáxia
  • fp é a fração de tais estrelas que possuem planetas em órbita
  • ne é o número médio de planetas que potencialmente permitem o desenvolvimento de vida por estrela que tem planetas
  • fl é a fração dos planetas com potencial para vida que realmente desenvolvem vida
  • fi é a fração dos planetas que desenvolvem vida que desenvolvem vida inteligente
  • fc é a fração dos planetas que desenvolvem vida inteligente e que têm o desejo e os meios necessários para estabelecer comunicação
  • L é o tempo esperado de vida de tal civilização

Ou seja, a fórmula de Drake é um modelo estático como o do Ministério da Saúde. Mas é possível usar modelos melhores, dinâmicos, por exemplo o modelo SIR (susceptible-infected-recovered).

Daí, durante o sonho, eu percebi que o ferramental teórico da epidemiologia poderia ser um quadro adequado para se pensar o paradoxo de Fermi. Afinal, a expansão de uma civilização na galáxia pode ser pensada como um processo de infecção de uma população de planetas "suscetíveis", ou seja, capazes de abrigar vida. O tempo de duração de uma civilização planetária capaz de produzir outras colônias corresponde ao tempo de infecção. O planeta entra no estado "recuperado" quando sua civilização morre ou se torna indiferente à criação de novas colônias. Acho que vocês já entenderam (sim, somos os vírus do Universo!).

Continue a ler no SEMCIÊNCIA.


03 julho, 2009

A Cosmologia de Lee Smolin e Mangabeira Unger

O astrofísico Lee Smolin é um de meus heróis (vocês já leram o sensacional "A Vida do Cosmos"?). Sua teoria do Darwinismo Cosmológico é mais testável que as idéias mais simples de Multiverso, e mais cedo ou mais tarde todo mundo vai reconhecer isso, como já ocorreu com Susskind. Da Wikipedia:
Leonard Susskind who now promotes a similar string theory landscape, stated:

"I'm not sure why Smolin's idea didn't attract much attention. I actually think it deserved far more than it got."[3]

Smolin e Susskind viraram personagens no meu conto Demiurgo, colocado na STOA.
Fico agora sabendo, via o blog Laboratório da Folha, que Mangabeira Unger colabora com Smolin em suas pesquisas físico-filosóficas. E Mangabeira está pensando em concorrer para presidente do Brasil, por um partido (PRB, do vice presidente José Alencar) que é dominado pela Igreja Universal do Reino de Deus, que basicamente é um sincretismo entre neopentecostalismo, umbanda e empreendedorismo neoliberal. Incrível, não é mesmo?
Continue a ler no SEMCIÊNCIA.

02 julho, 2009

Último post sobre gripe suína


Amanhã eu posto sobre Astrobiologia...

Mas hoje vou dar uma de Jucelino da Luz aqui. Aposto um kit de cervejas Colorado de que o cenário no Brasil daqui a duas semanas será idêntico ao da Argentina hoje. Também aposto um livro de ficção científica da Colecão Argonauta de que o time Argentino vai entrar desfalcado no próximo jogo devido à "gripe porcina", de modo quo o Brasil vai ganhar fácil...

Será que, aqui no Brasil, não está na hora de reconhecer que a epidemia decolou, a transmissão é sustentável e as medidas devem se concentrar na mitigação dos danos (preparação de leitos, uso de Tamiflu nas primeira 48h de infecção em vez de esperar que o caso fique grave - porque daí o Tamiflu é inútil, compra de mais Tamiflu, etc?).

Los lectores de lanacion.com contaron cómo conviven la epidemia de gripe A en el país. Algunos narraron experiencias preocupantes.

Enrique Parra relató una trágica experiencia en su familia, el fallecimiento de su suegro Lucio Cerdá, de 63 años: "Durante los días 17, 18 y 19 de junio, mi suegro estuvo con síntomas gripales comunes y una fiebre que no bajaba de 38 grados. En la madrugada del sábado 20, tenía insuficiencia respiratoria y llegó a perder el conocimiento momentáneo. Después de 3 horas de intentar conseguirle un lugar para derivarlo, lograron encontrar un único lugar disponible a 40 kilómetros de donde vivía, en un sanatorio muy elemental de San Vicente."

Y continuó: "Desde que ingresó, empezó a empeorar de manera irremediable y en el transcurso de las siguientes 24 horas falleció con los 3/4 partes de los pulmones afectados por neumonía (como reveló la placa de tórax que se le hizo). No hubo tiempo para hacerle un hisopado que verificara el tipo de gripe". El lector agregó: "Yo también pensaba antes que esta gripe era un invento de los alarmistas."

Continue a ler no SEMCIÊNCIA.

Off topic - Selo para participantes da Roda

André de Oliveira gentilmente nos enviou este selo para o Anel de Blogs Científicos. Quem quiser usar, fique a vontade!

Estamos formando um blog de apresentação para um projeto sobre o ensino de sociologia nas escolas.
O blog não está totalmente pronto, estamos no começo do projeto e em fase de formulação de conteúdo.

Nosso blog:
-> http://labitinerante.blogspot.com/


E além de tudo, fizemos também uma 'stamp' com o link do portal abc para nosso blogroll. Sintam-se livres para se apropriarem dele.

Stamp ABC:
Posted image

->http://img32.imageshack.us/img32/8104/ldcabc.gif

30 junho, 2009

Tema para o mês de julho/2009: Astronomia

Com mais da metade dos votos, o tema escolhido para o mês de julho foi Astronomia, em comemoração ao Ano Internacional da Astronomia.

O tema é intencionalmente aberto, para que todos possam colaborar (inclusive o batalhão de biólogos).

25 junho, 2009

Escolha do tema para julho

Desculpem o mau jeito, mas a porcaria da "Velox" está uma "Lesmax" e está muito difícil até para acessar o Blog.

Eu acho (ou antes, perdi...) que alguém me mandou outra sugestão para tema, mas, enquanto eu estou escrevendo isto, a conexão com o Blogger foi cortada... umas três vezes. Não dá nem para procurar.

Sobraram os três temas que ficam na enquete aí na barra lateral. Votos até 30 de junho (se eu conseguir acessar novamente...)

Remetam suas maldições para a operadora Oi e a ineficientíssima Anatel.

22 junho, 2009

Pandemia, pandemônio

Um homem chega do exterior com uma gripe obviamente forte. Espirrando, com jeito abatido. Dá entrada num grande hotel em Brasília. O procedimento da recepção não deveria ser conduzi-lo a uma enfermaria para colher material que permitisse identificar o vírus que o ataca?

Parece óbvio, mas até nos hospitais o procedimento ainda é incerto. Veja o relato de uma enfermeira no Ciência e ideias.

21 junho, 2009

A epidemia chegou


O gráfico mostra um crescimento super-exponencial dos casos confirmados de gripe suína no Brasil.
Obviamente isto é um artefato do processo de confirmação de casos, a menos que reflita um aumento da transmissibilidade da gripe. Ariadne, minha estudante de mestrado, está trabalhando em um modelo epidêmico que poderia reproduzir tal curva.

É claro que mais cedo ou mais tarde a capacidade do país de confirmar casos irá saturar (como já aconteceu em outros países). Mas se usarmos o conjunto de dados da última semana como preditor, podemos esperar atingir 1 milhão de casos (reais, que não serão necessariamente confirmados) na primeira semana de agôsto. Isso implicará em 10.000 casos graves (usando uma taxa super conservadora de 1% de hospitalização - a taxa real está entre 5 e 10%). Dado que temos atualmente 1.000 leitos para os casos graves, eu sinceramente não sei o que vai acontecer com os outros 9.000.

O pico da epidemia provavelmente se dará no final de agôsto, especialmente se as ondas de frio permanecerem até o final daquele mês.

É claro que isto é apenas um "educated guess". Mas se você olhar com cuidado os posts sobre gripe suína deste blog, verá que tenho tido um acerto de quase 100% nos meus chutes educados.


Disclaimer: o egocêntrico autor do SEMCIÊNCIA é apenas uma personagem.

10 junho, 2009

Máscaras de avestruz contra a gripe suína

Apesar de aparecer na televisão e em fotos um monte de gente “se protegendo” contra a gripe suína (vírus H1N1) usando máscaras, elas não servem para nada. É que o vírus é tão, mas tão pequenininho que passa pelo material.

Só que… O Japão – comentários? – desenvolveu máscaras com anticorpos de avestruz. Ou melhor, com anticorpos retirados de ovos de avestruz. Continue lendo aqui!

15 maio, 2009

Gripe Suina no Science Blogs


O blog Effect Measure do Science Blogs tem colocado ótimos posts sobre a gripe suína e pandemias em geral. Vale a pena conferir aqui.

O Carlos Hotta também está com uma série de posts. Ver aqui.

13 maio, 2009

Uma ideia pandêmica

Estava meio afastada do blog por questões pessoais. Ainda não voltei por completo, mas ao ver o tema deste mês me veio algo à cabeça (até que enfim! rsrs). No auge da Gripe Suína (ou Gripe A), pensei inicialmente: não vou falar dessa gripe, pois já existem muitas pessoas falando sobre ela! Então, me lembrei de um texto que escrevi no meu blog e que tem muito a ver com o tema.

Para começo de conversa, vou explicar a relação entre as coisas.

No dicionário Aurélio, pandemia quer dizer:

"Doença epidêmica amplamente difundida."

No mesmo dicionário, epidemia quer dizer, entre outras coisas:

"Uso generalizado de alguma coisa que está na moda."

O post que fiz no meu blog, sobre uma matéria que saiu recentemente na revista Veja, mostra o poder de uma certa epidemia (no sentido colocado acima) que tomou conta do mundo moderno e se tornou uma pandemia (atrelando o significado colocado acima com o significado de epidemia também citado acima): a ideia de que tudo o que leva a palavra QUÍMICA faz mal! Ideia errada e carregada de ignorância que está se alastrando e correndo o risco de se instalar de vez na cultura mundial.

Vemos esse tipo de ideia em todos os lugares, em todos os veículos de informação e até em alguns livros didáticos que, talvez não intencionalmente.

Bom, gostaria que vocês lessem o texto e comentassem aqui sobre o assunto.

Leiam aqui.

30 posts sobre a gripe suína




Em vez de fazer um novo post sobre gripe suína, resolvi fazer um metapost, com o link para os meus 30 posts sobre o tema. OK, OK, eu sei que comecei a postar sobre isso no dia 28 de abril, o que dá uma média de 2 posts por dia sobre o tema. Isso é muito ou é pouco?

Clique aqui para obter apenas os posts sobre a gripe suína. Se aparecerem apenas 20 deles, vá para o arquivo do mês de abril. Bom proveito!

PS: Igor, quando você vai me pagar a nossa aposta?

04 maio, 2009

Tema para o mês de maio

Antes de mais nada, esclareço que o tema atual continua valendo até o próximo do­mingo (muita gente pediu um pouco mais de tempo para o tema "Pseudo-ciência", porque o tempo anda curto — provavelmente por conta da farra de feriadões que foi esse mês de abril...)

O tema do próximo mês é... (surpresa!) Pandemias.

Com toda essa agitação sobre a gripe suína A-H1N1, não poderia ser outro...

Porcos, Cisnes e Pseudociência


Ainda no tema de abril.

Quando você entra numa livraria, depois dos livros de auto-ajuda e new age, uma das áreas mais populares são os livros pop de administração e marketing. Alguém já analisou essa literatura em termos de contribuição para a divulgação científica? OK, eu sei que o leitor de O Gerente Quântico não vai ter uma idéia adequada de Física Quântica, mas ele será menos ignorante sobre quântica do que um gerente tipo Homer Simpson que não leu o livro. Ou não?

Se você ponderar bem, mesmo os livros de pseudociência ajudam a divulgar a ciência. Conversando com meus colegas físicos, eu vejo que toda uma geração foi despertada para a vocação científica lendo revista Planeta na década de 70 (na época em que era editada por Inácio de Loyola Brandão, claro!)  e os livros O Despertar dos Mágicos e Eram os Deuses Astronautas
Como disse Reinaldo Lopes em seu novo blog CCC, se você pensar bem os filmes de Indiana Jones são todos pseudocientíficos (arca perdida,  santo graal, ETs e crânios de cristal etc.) e sua apresentação da pesquisa arqueológica é totalmente distorcida, mas muitos e muitos meninos e meninas se tornaram ou sonharam ser arqueólogos devido a esses filmes. Será que alguém já percebeu que o despertar de vocações científica é não-linear, que muitas vezes um museu de ciência inteiro não adianta mas um simples conto de Isaac Asimov pode ser decisivo?

(Leia o post completo no SEMCIÊNCIA)

29 abril, 2009

Ceticismo e Pseudociência


"Ela é transmitida dos porquinhos para as pessoas só quando eles espirram. Portanto, a providência elementar é não ficar perto de porquinho nenhum" (José Serra, sobre a gripe suína).

Eu estou tentando entender a atitude de meus colegas blogueiros científicos sobre a questão da gripe suína e estou meio atônito. Afora alguns poucos posts informativos (ver aqui , aqui e aqui), boa parte da reação da blogosfera científica é uma mistura de ceticismo que apela para teorias conspiratórias e ridicularização do hype da mídia. Em contraste, vários blogueiros sérios do ScienceBlogs americano (aqui , aqui e aqui) estão fazendo discussões aprofundadas e o próprio site do SB dá destaque ao assunto.

Acho que poderíamos e deveríamos fazer mais do que isso. Ando desconfiado que o namoro que muitos blogueiros científicos possuem com o movimento cético acabou por afetar suas capacidades críticas. Lembram o comportamento dos "céticos do clima" em relação às mudanças climáticas etc. Acho que vou escrever um post sobre isso, para lembrar que ceticismo não é sinônimo de ciência, mas talvez da pseudociência.

Continue a ler no SEMCIÊNCIA.

14 abril, 2009

Quando um governo embraca em pseudo-ciência

Li no Pharyngula uma notícia de que o jornalista Ben Goldacre que escreve a coluna semanal “Bad Science" no The Guardian, tinha se livrado da restrição judicial a ele imposta e tornado público o "capítulo omitido" de seu livro ("Bad Science"... que outro título teria?...)

Para minha surpresa, o tal capítulo está lá, inteirinho, no post de 9 de abril do blog "Bad Science", com o sugestivo título: "Matthias Rath — roubem este capítulo".

Goldacre pede explicitamente a seus leitores que ajudem a divulgar o conteúdo do capítulo proibido... Tentação demais, né?... Eu traduzi...

Continue lendo aqui.

12 abril, 2009

Mais duas contribuições para a discussão:

O Osame pediu uma definição do que vem a ser Pseudo-ciência e eu fui pesquisar. Encontrei um bom texto, em inglês, no site do Donald Simanek, cujo "Museu dos Dispositivos Impraticáveis" tem uma boa tradução, feita pelo pessoal do "Ceticismo Aberto". Perguntei a meu scibling Kentaro Mori se havia também uma tradução da página com a explicação sobre pseudo-ciência.

Não havia... Só que Mori rapidamente consertou essa falha e traduziu e publicou no "100nexos". Leia aqui em: O que é ciência? O que é pseudo-ciência? (Só não esqueça de trazer seu eventual comentário para aqui, também).

E Mori ainda indicou o artigo de Widson Reis e Alexandre Castro publicado na antiga Revista Terra Redonda. (idem sobre comentários).

Eu tenho “no forno” uma matéria “quente” do Ben Goldacre (da coluna semanal “Bad Science” do “The Guardian”, mas é enorme e ainda está esperando uma revisão dos sciblings — com sorte, estará liberada hoje à noite). Enquanto vocês esperam por minha bombástica novidade, podem ir se divertindo com as matérias linkadas acima...


09 abril, 2009

A linha demarcatória entre ciência e pseudociência é fuzzy...


Maria sugeriu que eu transformasse meus comentários em um post. Aqui vai, mas ainda sem muita ponderação...

Vamos definir pseudociência primeiro? Proponho a seguinte definição mínima: uma afirmação ou teoria é pseudocientífica se ela contradiz teorias científicas bem estabelecidas, não dá conta de forma honesta das evidências contrárias (por exemplo, só o faz apelando a teorias conspiratórias) e AO MESMO TEMPO afirma de modo forte que continua a "ser científica".

Assim, se uma corrente filosófica ou escola (ou religião) não afirmam ser científicas, então não são pseudocientíficias por esta definição: ou seja, elas nao tentaram passar por científicas (dai o adjetivo pseudo) quando não o eram.

Neste esquema, a Psicanálise, o Camdomblé e a Teologia da Libertação não são pseudocientíficas, mas a o Criacionismo científico, a Cientologia e o Espiritismo seriam (apenas na medida que afirmam que possuem bases científicas sólidas que na verdade não possuem).

Achei o tom do post do Igor meio rigoroso, ele elimina a Economia e a Meteorologia como campos cientificos (para nao falar das ciências sociais) pois em tais áreas nao é possivel fazer previsões .Ou alguém previu (cientificamente) a crise mundial?

Eu aprendi em "Contra o Método" de Feyrabend e "A Estrutura das Revoluções Científicas" de Kuhn (e na minha experiência pessoal de 20 anos como cientista) que o processo científico não é tão certinho, progressivo e linear assim. Acho que existem práticas metodológicas (usar bons metodos estatísticos, evitar falácias lógicas, argmentar usando evidências etc), mas fica dificil acreditar no Método com M maiúsculo.

Continue a ler no SEMCIÊNCIA.

07 abril, 2009

Previsível. Replicável. Falseável.

E quem vai ter o primeiro post linkado para a discussão deste mês, não é um dos contribuidores do Roda de Ciência: é meu Scibling Igor Santos do "42".

O Método Científico é o processo pelo qual os cientistas, coletivamente e com o passar do tempo, se aventuram para ajudar a construir uma representação do mundo cada vez mais apurada, confiável, consistente e não-arbitrária.

Tudo o que acontece, se dá por alguma causa natural, que pode ser explicada racionalmente. Não conseguir ver a causa não é o mesmo que a causa não existir (ausência de evidência não é evidência de ausência). Exemplo: passamos alguns milhares de anos sem saber como o Sol se movia ou a Chuva caía. Não víamos a causa, mas ela sempre esteve lá. Se acontece, é natural; se é natural, pode ser explicado; se ainda não é explicado, com perseverança e diligência (e, às vezes, sorte), é passível de ser. Não tema!



Continue lendo aqui. (E não se esqueça: se for comentar, comente tanto lá, como aqui).

31 março, 2009

O menino Darwin

Aos 48 do segundo tempo, chego correndo e deixo minha jogada. Não podia deixar de falar sobre Darwin, o homem que nasceu há 200 anos e deixou contribuições inestimáveis ao pensamento científico graças (eu acho) a um dom muito especial: a curiosidade.

Leia mais no ciência e ideias

Para encerrar com chave de ouro

Meu “velho amigo” John Wilkins publicou um momentoso post em seu blog Evolving Thoughts, intitulado “Um novo trabalho sobre transferência lateral [de genes] mostra que Darwin estava errado”.

Citando um trabalho do Professor Augustus P. Rilful e seus colegas do Laboratório de Paragenética da Universidade de Münchhausen, na Alemanha, publicado em Journal of Evolutionary Diversions, [Rillful, A. P., Metonym, P., Hebe, P., Samsa, G., et al., 2009. "A new theory of evolution based upon the ubiquity of lateral genetic transfer". J. Evol. Div. 23 (2):69-136], Wilkins discorre sobre a Evolução Empedocleana, o novo paradigma que deve substituir tudo o que se pensava, até agora, sobre a seleção natural (“quase que inteiramente desnecessária”).

Bom... Eu não vou cair na asneira de traduzir Wilkins de novo... Quem quiser e puder, siga o link acima e leia o post.

Ah!... Sim!... Por um desses azares, na Austrália já é dia 01/04, mas no servidor dos ScienceBlogs ainda é 31/03. Por isso o post do Wilkins apareceu um dia antes do que devia...


30 março, 2009

Novo Tema para o Mês de Abril

Encerrada a enquete, informo a todos que o tema: "Ciência e Pseudo-ciência" foi o vencedor (com apenas um voto de vantagem sobre "Consciência" — parece que a Astronomia não está com essa bola toda...)

Se o "conficker" não detonar a rede, o tema estará valendo a partir de 1º de abril (sem trocadilho...)

26 março, 2009

Os próximos 150 anos

(...) No entanto, o núcleo central da teoria de Darwin, de que os organismos lutam pela sobrevivência usando as armas que dispõe no seu ‘pool’ de genes, se mantém intacto e vem sendo fortalecido a cada novo resultado. Vem dai a razão da grande aceitação da teoria: ela funciona! Explica uma enorme variedade de fenômenos e observações, e contribui para além da biologia, em campos como o desenvolvimento de drogas na industria farmacêutica ou de componentes eletrônicos na industria de informática. A seleção natural é poderosa mesmo no maior de seus desafios: explicar a evolução humana. A idéia do homem como topo da evolução é um pilares que sustentam os princípios religiosos, mas análises recentes mostram que a nossa espécie, o Homo sapiens, não só evoluiu, como evoluiu muito nos últimos 10.000 anos, e com velocidade assustadora. Um exemplo de adaptação recente é a habilidade de digerir leite em adultos do norte europeu. Também temos muito menos dúvidas sobre nossas origens,. Sabemos que não viemos exatamente dos macacos, mas de um ancestral comum remontando aos primeiros Australopithecus entre 4 e 7 milhões de anos atrás (veja o texto Uma breve história do homem). Leia mais no VQEB.

23 março, 2009

Escolha do tema para abril

Desculpem por estar colocando este post no meio da discussão sobre Darwin (por falar nisso, o tema ainda está valendo até o fim deste mês), mas eu quero chamar a atenção para a enquete para a escolha do tema do mês que vem.

Estão à escolha:

  1. Astronomia (assim, genérico mesmo, tal como foi "Darwin", em homenagem ao Ano Internacional da Astronomia);
  2. Ciência e Pseudo-Ciência: onde traçar a linha divisória?
  3. (A) Consciência volta a ser objeto de estudo da ciência.

O widget da enquete está aí do lado. Vote até 29 de março!

Isto posto, voltemos a Darwin (que está rendendo bem).

20 março, 2009

Ainda a seleção natural



A história do pensamento evolutivo mostra que muitos outros autores quase "chegaram lá" quando o assunto é seleção natural: antes do naturalista escocês Patrick Matthew, (1790-1874) sobre o qual comenta Osame Kinouchi no seu blog SemCiência, no século XVIII, o naturalista, cosmólogo, matemático e enciclopedista Georges Louis de Buffon (1707-1788) havia aventado essa possibilidade no seu monumental Histoire Naturelle (apesar dos escritos desse francês não primarem pela consistência). William Charles Wells (1757-1817) já havia falado de seleção natural na espécie humana, no começo do século XIX (e, inclusive, Charles Darwin (1809-1882) o cita nominalmente no sua obra magna Sobre a origem das espécies). Não só Alfred Russel Wallace, (1823-1913) mas também Henry Walter Bates (1825-1892), trabalhando na Amazônia, chegaram à mesma conclusão de Darwin a respeito do processo evolutivo, especialmente considerando a importância da distribuição geográfica no processo de especiação.

Agora, como aponta o professor Kinouchi, quais são as condições para se reconhecer quando alguém é o "descobridor" de uma idéia?

Continue a ler essa postagem no "Um Longo Argumento".

177 anos de Seleção Natural?



Advinhe quem escreveu isso?

There is a law universal in nature, tending to render every reproductive being the best possible suited to its condition that its kind, or organized matter, is susceptible of, which appears intended to model the physical and mental or instinctive powers to their highest perfection and to continue them so. This law sustains the lion in his strength, the hare in her swiftness, and the fox in his wiles. As nature, in all her modifications of life, has a power of increase far beyond what is needed to supply the place of what falls by Time's decay, those individuals who possess not the requisite strength, swiftness, hardihood, or cunning, fall prematurely without reproducing—either a prey to their natural devourers, or sinking under disease, generally induced by want of nourishment, their place being occupied by the more perfect of their own kind, who are pressing on the means of subsistence . . .

There is more beauty and unity of design in this continual balancing of life to circumstance, and greater conformity to those dispositions of nature which are manifest to us, than in total destruction and new creation . . . [The] progeny of the same parents, under great differences of circumstance, might, in several generations, even become distinct species, incapable of co-reproduction.


Se você falou Darwin, errou. Foi publicado em um livro (que recebeu resenhas importantes na época) por Patrick Matthew em 1831, ou seja, 27 anos antes de Darwin e Wallace. (continue a ler no SEMCIÊNCIA).


08 março, 2009

Por que todo ser humano deveria ser fã de Charles Darwin?

O Marco Varella do Blog "Marco Evolutivo" (meu vizinho de Lablogratórios — em breve ScienceBlogs - Brasil), aproveitando nosso tema, publicou um post com este título.

(Para ler, clique aqui)

04 março, 2009

Por que Darwin ainda incomoda?

Por que será que a Evolução e a Seleção Natural ainda incomodam tanto e causam reações extremadas, notadamente entre as pessoas que se dizem religiosas? Na verdade não se vê tanta reação contra a Astronomia, contra a Geologia ou mesmo contra a Física, embora todos esses ramos da ciência contradigam frontalmente o “livro sagrado” das religiões originadas da judaica.

A Astronomia botou por terra um ponto fundamental do fundamentalismo: a Terra não é o centro do universo, nem sequer um ponto notável no mesmo.

A Geologia, por sua vez, desmente de maneira cabal a cronologia bíblica e não se vê qualquer “tour-de-force” como o “Intelligent Design” para contestar seus ensinamentos.

(Continue lendo aqui)

Darwin - Evolução da Evolução




Uma ideia simples resolveu o mais complexo dos mistérios: o sentido da vida. ; ) Além disso, atualmente, cientistas usam Darwin para desvendar desde a nossa mente até a origem do Universo.
Continue lendo aqui.

03 março, 2009

As incríveis aventuras do pequeno grande Darwin em Galápagos

Cansado dos monótomos livros e de colecionar besouros, o pequeno Charles Darwin sucumbiu à proposta do reverendo John Henslow. “O senhor aceita ser o naturalista abordo do navio HMS Beagle, em uma viagem de mais de dois anos pela América do Sul?”. Sim, disse empolgado o rapaz.

No começo, sua família não gostou nem um pouco da idéia. Preferiria que o pequeno seguisse carreira eclesiástica. Ironia… Por fim, papai deixou o garoto de 22 anos embarcar. Munido de telescópios, instrumentos de medição, produtos químicos e espingardas, balançou o lencinho branco. “Bye”.

Continue lendo a "estória" aqui.

02 março, 2009

Novo tema para discussão: "Darwin"

Desculpem por não ter colocado em votação o tema para este mês, mas, realmente, não deu...

Então, aceitando as (poucas) sugestões recebidas, o tema para este mês é: "Darwin" — vale qualquer coisa relacionada com Charles Darwin (e, é claro, Evolucionismo).

Sugestões para o tema do próximo mês podem ser apresentadas pela lista de discussão, ou nos comentários a este post.

03 fevereiro, 2009

O peso da evidência

(...)
Tão forte quanto a nossa vontade de negar evidências que contrariam nossos paradigmas, é nossa capacidade de reconhecer que essas evidências contrariam o paradigma. "É assim que se fazem as revoluções científicas!" diria Thomas Khun, do outro lado da sala, encerrando a discussão.

Leia mais no VQEB.

21 janeiro, 2009

Revoluções científicas

Em biologia, muito DNA se sequenciou para descobrir que não é ele na verdade quem manda. Quando será feita a mais nova síntese da biologia, em que se vai entender como esse mundo genético na verdade funciona?

Fico ainda mais curiosa para saber o que pesquisadores de outras disciplinas consideram o grande assunto do momento.

Leia meus pensamentos algo esparsos aqui.