30 julho, 2008

Incrível: a blogosfera científica em português

Faltando um dia para acabar o mês... Bola para frente! Na última edição do jornal universitário, a Universidade Federal do Paraná (UFPR), publicou uma matéria sobre os blogs científicos. Ela resume o que há on-line no Brasil e porque as pessoas blogam. Coloquei um grande trecho no meu blog – veja aqui. O link para a matéria inteira está aqui – em pdf, paciência, demora um pouquinho para carregar.

Justamente esta semana, estava discutindo com uma conhecida o tema. Ela pensa em fazer um blog científico, mas queria saber mais sobre o que existe no Brasil. Infelizmente, com exceção de alguns sites como este e que estão por vir, a blogosfera científica é dispersa.
Como a maioria dos blogs científicos, o intuito dessa pessoa é divulgar o conhecimento para o público leigo.

Uma tarefa dificílima. Primeiro, em um país onde a educação é precária, como passar o que está sendo pesquisado para uma pessoa que não entende os conceitos básicos? Onde as pessoas não reclamam por essa educação a que tem direito, como mostrar a importância da ciência na vida de todos? Por fim, em um país onde, praticamente, 40% das pessoas não possuem saneamento básico, como focar a atenção delas para esse tema?

Sem contar o preconceito que existe. Muitos que possuem acesso à internet acham a ciência chata e inteligível. Não conseguem perceber que, ela está no dia-a-dia, dela depende os avanços tecnológicos e influencia diretamente na nossa atual e futura qualidade de vida. Engraçado como o país, até nisso, possui zilhões de realidades. Uma ciência tão avançada e quem não entende lhufas. Deve ser culpa do jeitinho brasileiro.

Enumerei algumas vantagens e alguns dados relacionados aos blogs científicos para refletirmos:

  • O número de internautas residenciais no Brasil em fevereiro era de 22 milhões de pessoas, um aumento de 56,7% em relação ao mesmo mês de 2007;
  • O Brasil é o país onde os usuários passam mais tempo navegando;
  • Os jovens não se informam como antigamente, por meio dos jornais impressos. Eles buscam as mídias eletrônicas. Clichê ou não, eles serão o nosso futuro. Espero que os blogs ajudem a eles darem continuidade e valorizarem a ciência;
  • Por meio do blog divulgo o que é produzido nas universidades. Dou prioridade para as instituições brasileiras. Muita coisa bacana é feita no Brasil, mas a população não consegue ter acesso;
  • Nossos pesquisadores científicos não são valorizados como deveriam. O blog é uma maneira de apóia-los;
  • Para o pesquisador, escrever um blog é uma maneira de divulgar o seu trabalho. Também, de trocar idéias, realizar novos contatos, novas pesquisas e até conseguir parcerias para projetos. Além disso, de desmistificar sua profissão;
  • Com exceções, os meios de comunicação não possuem muito espaço para a ciência. Por isso, publicam apenas notícias extremamente relevantes e, muitas vezes, sem contextualização. Os blogs suprem a necessidade de entender sobre o que está sendo publicado na mídia "convencional";
  • A pessoa interessada chega à fonte da notícia por meio dos links. Entrar, mesmo, em contato com os pesquisadores. O que pode ser conveniente para ambos.

Claro que o assunto é extenso, mas, com este post, espero fornecer novas maneiras de ver os blogs sobre ciência do Brasil. Há 10 anos atrás, praticamente, inexistiam blogs tupiniquins sobre o tema. Só o fato de discutirmos uma “comunidade blogueira científica brasileira” já é um grande passo. Como diz aquela propaganda inspiradora: “keep walking”.

6 comentários:

João Carlos disse...

Curioso... A abordagem da Isis tem muitos pontos de contato com o tal artigo do Wilkins (eu prometo que publico já, já a tradução...)

Um ponto que eu gostaria de ressaltar, desde já, é que a "Academia" continua "torcendo o nariz" para os Blogs. Quando será que os dinossauros pré-informáticos vão se tocar que Blogs são uma ferramenta, não apenas para "divulgação para leigos" (embora a própria AIP tenha mudado o formato do Physics News Update para suprir essa deficiência)?...

Caramba!... A trocentos anos atrás eu visitei a CNEN e o grande orgulho deles é que eles estavam acessando a bisavó da Internet e tinham acesso aos Bancos de Teses de todas as Universidades ligadas ao sistema!... Atualmente é possível acompanhar as pesquisas passo a passo, contanto que os grupos de pesquisa publiquem "diários"... em Blogs! (onde mais?...) Claro que quem vai acessar esses blogs não serão os leigos que deram um Google para a "pesquisa" da escola...

Bom... Deixa para comentar o resto quando eu publicar a tal tradução...

Maria Guimarães disse...

aí entram os desafios da divulgação de ciência: chamar a atenção das pessoas, mostrar que a ciência tem a ver com a vida delas e que entender isso fará delas mais cidadãs. tudo isso sem perder clareza, sem sacrificar o rigor científico, sem deixar de aprofundar, sem parecer ininteligível. ufa. não é a toa que um dos nossos primeiros temas foi divulgação científica (http://rodadeciencia.blogspot.com/search/label/divulga%C3%A7%C3%A3o%20cient%C3%ADfica)

mas concordo com você, o truque agora é aprender como fazer isso na blogosfera.

Isis disse...

Esse blog acabou de nascer: http://www.pion.sbfisica.org.br/pdc/index.php/por/blog

O site vale uma visita. Mais informações sobre ele aqui: http://www.pion.sbfisica.org.br/pdc/index.php/por

Isis disse...

Ops, aqui as informações: http://educacao.ig.com.br/noticia/2008/07/28/professores_de_fisica_ganham_pagina_na_internet_1475300.html

Estamos caminhando...

Osame Kinouchi disse...

Eu li uma pesquisa estatistica dizendo que as paginas de ciencia sao as mais lidas depois das de esporte, nos jornais brasileiros... As paginas de politica sao as ultimas.

Carlos Hotta disse...

Estatística interessante Osame, vc sabe de onde veio? É legal divulgá-la por aí!