08 janeiro, 2008

Dia a dia de quem?


O tema da Roda de Ciência deste mês é sobre o "dia a dia do cientista". Embora no final do mês eu vá prestar um concurso aqui na USP, acho que tenho algum tempo para refletir sobre esse tal dia a dia no qual já vivo (meu Deus, tô ficando velho!) há mais de 20 anos.


OK, na verdade não tenho tanto tempo para refletir assim: além de estar estudando e preparando os pontos para o concurso, estou escrevendo um paper com o Mauro Copelli e o Leonardo Lyra Gollo sobre dendritos excitáveis, outro com o Roque, Rosa, Pedro e Adriano sobre modelos de evolução cultural (na verdade, sobre evolução da culinária), e ainda outro com o Pablo Diniz e o Alexandre Martinez sobre redes de citações bibliográficas. Sem falar na orientação de iniciação científica do Zeddy (trabalho para o Prêmio Jovem Cientista) , do Leonardo Soares (estudo de uma métrica de rede para definir sinonímia) e do Rodrigo (modelo de evolução de memes tipo branching process).


Ainda bem que consegui validar no Júpiter-USP, ontem, as notas da turma de Física I e de Estatística Básica. Hummmm.... Não falei sobre o fato de que preciso ir passear com as crianças no parquinho, amanhã, ou então levá-los para Araraquara no final de semana. OK, OK, já deu pra ter uma idéia sobre o meu dia a dia...


Vamos continuar. Mas primeiro, um pouquinho de arrogância: para definir o "dia a dia do cientista", acho melhor definir o que é um cientista. E aqui vai a opinão de pessoas que respeito: "cientista é um artesão que trabalha com idéias e conceitos".


Se forem idéias matemáticas ou lógico-formais, temos matemáticos, lógicos, teóricos da computação. Se forem idéias sobre a natureza e/ou o ser humano, temos os cientistas naturais e/ou humanos (notaram o "e" que inclui o pessoal da sociophysics como eu, por exemplo?).


Se tais artesãos trabalham com as mãos, temos os cientistas experimentais. Se trabalham com simulações computacionais, temos os cientistas computacionais. Se usam apenas lápis, papel e lata do lixo, temos os teóricos (ok, eles usam computadores também!). Se não precisam de latas de lixo, temos os filósofos... Ops, a piada não é minha, e eu não concordo com ela!


Cadê a arrogância da definição de cientista? Bom, acho que você pode chegar para mim e dizer: Olha, eu conheço um monte de cientistas que não são tais artesãos (manuais ou intelectuais). Isso é uma visão idealizada da ciência, etc e tal. Você não viu o último livro de sociologia da ciência do Bruno Latour?


Meu filho, você não entendeu: quem não se encontra dentro da definição, pode ser um técnico científico, um trabalhador científico, um professor de ciências, um administrador científico, um empreendedor científico. No problem. Apenas não é um cientista... (minha amiga Giulia diz que, enquanto professores-pesquisadores mal remunerados, somos um proletariado cognitivo).


OK, então dado que, enquanto pesquisador não ligado à Big Science, sou um artesão e não um operário no sentido marxista do termo, um artesão que tenta ensinar sua arte a seus (até agora poucos) discípulos, talvez valha a pena contar como se inicia uma vocação como essa. Continue a ler aqui.

3 comentários:

Maria Guimarães disse...

isso de artesão não é uma visão um tanto quanto romântica? e aquele papo de que fazer ciência é 90% suor e 10% inspiração?

OK disse...

Maria, usei artesao no sentido sociologico ou marxista do termo, ou seja, alguem que nao eh um operario dentro de uma linha de producao mas sim que trabalha em pequenos grupos, onde o treinamento mestre-discipulo (orientador-orientado) é feito de forma individualizada, onde a comunidade é pequena (corporação com regras proprias). Imagino que o operario cientifico aparece apenas na Big Science, que nao é dominante no caso brasileiro (será que o é em algum lugar do mundo? alguem ja quantificou isso, qual a fração de cientistas que atuam na Big Science? Verao que nao eh tao Big assim...). Dado que nao sou um empreendedor (empresario) cientifico, nem um cientista capitalista (isso existe? Bell, o autor da frase que voce cita, nao era cientista e desprezava a ciencia - eh por isso que ficou testando 1000 filamentos por tentativa e ero para sua lampada eletrica). Alem disso, 80% de esforco e 20 de inspiracao é um lema de todo artista e artesão, nao de operarios, onde nao existe o tal 20 % de inspiracao...

João Carlos disse...

E, seguindo os comentários do Osame no artigo do Shridhar, a definição de artesão me parece a mais adequada. Inclusive porque a progressão na Guilda se faz de modo praticamente idêntico...

Exemplo? Vide este artigo do Mauro Rebelo.