30 dezembro, 2008

O que seria uma "novidade revolucionária"?...

Uma pergunta difícil… A Astronomia está, praticamente, redesenhando o “Universo Conhecível” e ele parece ser muito mais estranho e “populoso” do que se pensava. Até anteontem a Relatividade Geral tinha as soluções para o comportamento das galáxias, suas estrelas e seus planetas… De repente (bom… não foi tão “de repente”, assim…), se chega à conclusão de que não está faltando só a tal “matéria escura”: mais da metade do universo deve ser constituído de algo mais misterioso ainda — a tal “energia escura”.

Enquanto isso, aqui na Terra, o LHC foi um fiasco comparável à passagem do Cometa de Halley… “O maior instrumento científico jamais construído” (e isso me lembra o quase-fiasco do Telescópio Hubble) pifou, ainda na fase de preparação…

No campo da nanotecnologia as coisas vão a pleno vapor. O Carbeno parece ser o meta-material dos sonhos dos nano-engenheiros. Quando (e se) puder ser fabricado em escala industrial, o leque de aplicações parece ser quase ilimitado. Já os computadores quânticos continuam na fase do “sonho meu”… A spintrônica parece ainda confinada aos ambientes banhados em hélio líquido.

Na área da biologia, os segredos contidos nos genes vão caindo, um a um, e a evolução da vida na Terra cada vez mais faz sentido (particularmente apropriado no ano em que se comemora o bicentenário do nascimento de Darwin — embora o fundamentalismo religioso continue insistindo em exercitar seu jus esperneandi).

E a melhor notícia parece estar vindo da maior potência mundial: a equipe científica escolhida pelo futuro presidente americano é composta por Cientistas (com direito ao “C” maiúsculo). E é aí que eu vou dar um polimento na minha bola de cristal e proferir um vaticínio sobre onde eu espero que a ciência apresente algo realmente revolucionário…

Continue lendo aqui.

12 comentários:

Felipe Lucio disse...

Creio que veremos muito avanço relacionado a "aparelhos biológicos", nas próximas décadas.

Se os nossos amigos do norte realmente resolverem investir mais dinheiro em pesquisas e esquecerem um pouco a indústria bélica, poderemos ter bastante avanço e, talvez, até uma "revolução", nesta década ainda.

Estou torcendo para que isso realmente se torne concreto!

Osame Kinouchi disse...

Não sei não, João, acho que o progresso em baterias será tao incremental que seria melhor chamar de evoluçao em vez de revoluçao...

João Carlos disse...

A julgar pelo progresso feito até hoje, Osame, você tem toda a razão. A diferença é que a motivação, agora, é outra.

As coisas só começaram a evoluir, lentamente, no campo da armazenagem de energia elétrica, porque houve a "revolução" dos semicondutores. Em vez de melhorar o rendimento das baterias, se diminuiu a demanda de energia dos aparelhos, trabalhando com potências menores.

Mesmo que consigam fazer uma iluminação pública com LEDs, não há meio de substituir os arcos voltaicos das siderurgias, nem de equacionar potência vs. autonomia nos meios de transporte.

Por outro lado, mesmo aqueles que procuravam "varrer para debaixo do tapete" a questão da emissão de poluentes, não podem mais "fingir que não estão percebendo" que os peixes e moluscos estão sumindo com a acidificação das águas. E o problema da exiguidade das reservas de combustíveis fósseis só fez se agravar. Isso é algo que o futuro Secretário de Energia dos EUA sabe muito bem.

Eu não garanto que os resultados vão aparecer logo, mas que vão "atirar para todos os lados", eu não tenho dúvidas. De repente... quem sabe alguém não descobre que alguma coisa que já se conhece, aliada a outra, em um campo de estudos totalmente diverso, pode ser a solução?... Daí minha aposta em "baterias orgânicas": algo relacionado com os piraquês e arraias elétricas.

Osame Kinouchi disse...

Olá, alguem aqui na roda sabe como instalar Latex no Blogger, no ambiente Windows? Obrigado!

Osame Kinouchi disse...

http://www.nature.com/nature/journal/v457/n7227/full/457257a.html

Choosing between batteries or biomass to stay on the road

Lucien F. Trueb1

1. In der Oberwis 9, 8123 Ebmatingen, Switzerland
Email: lucien.trueb@bluewin.ch

Nothing would please me more than to see batteries break out of their traditional markets and propel our cars, a goal described in your News Feature 'Charging up the future' (Nature 456, 436–440; 2008). In my view, this will not happen, however, because of the weakness of electrochemical power storage.

Osame Kinouchi disse...

João, vou pedir ao administrador do ABC que o link do Roda de Ciencia seja colocado em destaque no centro da pagina, com o Tema do Mês explicitado. Talvez isso ajude a divulgar a Roda e fazer com que os nossos colaboradores colaborem...
Mas... qual é o tema de Janeiro (ou Fevereiro?)

Diego Galeano disse...

Eu gostaria de propor um tema que considero muito interessante:

"O que é ciência e o que é tecnologia?"

Acho um tema muito interessando pois muitas pessoas confundem tecnologia com ciência e vice-versa

Mica .vai.la disse...

Oi, tenho um blog de biologia http://www.mhp-bio.blogspot.com e gostaria de saber se esta interessado em troca de links com o meu blog?

Fernando disse...

Uma "novidade revolucionária"... seria o darwinismo acabar como um dogma e as falhas da Teoria da Evolução passarem a poder ser discutidas na ciência :

.
.
http://designinteligente.blogspot.com/
.
.

Abraços

Osame Kinouchi disse...

Podemos começar discutindo DI na Roda da Ciência... Qual é o tema de fevereiro?

Maria Guimarães disse...

concordo com o joão carlos - nessa coisa de energia talvez seja preciso uma revolução, mais do que mera evolução.
passo meu tempo olhando em volta e reparando em toda a energia desperdiçada. por que os carros não são revestidos com estruturas capazes de absorver energia solar e mandar direto para a bateria? por que demora tanto para carros elétricos se tornarem realidade disseminada (aí suponho que seja mais política do que ciência)? por que painéis solares são ainda caros e não existe no brasil uma estrutura de incentivo que integre painéis solares particulares à rede elétrica? etc. etc.
talvez pequenos incrementos não bastem. tem que descobrir alguma coisa nova.
osame, porque você está tão ansioso? mal começamos a discutir este tema!

João Carlos disse...

Da série "eu-não-disse?":

Mal o Obama enfatizou a necessidade por baterias mais eficientes, e começam a aparecer linhas de pesquisa que estavam meio que "engavetadas", já na batalha por financiamentos. Vide duas notícias do EurekAlert: da Universidade da Flórida e do MIT.

Eu fui muito conservador em meus cálculos... ;)